Blog

10 coisas que você sempre quis saber sobre pessoas com deficiência mas tinha medo de perguntar

Confessa, vai. Você tem um monte de perguntas sobre o universo da pessoa com deficiência mas nunca achou respostas. Seja porque perguntou para quem também tinha vários pontos de interrogação na cabeça ou porque acabou esquecendo de pesquisar sobre o assunto mesmo. Bom, não importa o motivo. Neste post vamos responder a algumas das perguntas mais comuns de pessoas sem deficiência sobre o dia a dia da pessoa com deficiência. E se houver alguma dúvida não atendida, mande para sua perguntinha pra gente, ok?

Jovem tímida com leque verde

1. Qual o termo correto para se referir à alguém com deficiência?

Esta talvez seja a dúvida mais comum e que a grande maioria de leigos acaba cometendo equívocos. Em alguns casos, a gente tenta ser ‘politicamente correta’ e acaba usando de eufemismo, o que só piora a situação. O termo correto e aceito internacionalmente é “pessoa com deficiência”. Qualquer termo fora este, será impreciso ou poderá até mesmo gerar algum mal estar junto à pessoa. O termo “pessoa com deficiência” está em vigor desde 2006 quando houve a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU e que foi ratificado no Brasil com efeito de emenda constitucional, através do Decreto Legislativo 186 em 2008. Então, risque estes termos da sua caderneta: “portador de deficiência”, “deficiente” e “portador de necessidades especiais”.

2. O que devo falar ao me apresentarem a uma pessoa com deficiência?

Que tal começar com um “olá! tudo bem?” e dizer qual seu nome. Emendar algo tipo “prazer em conhecer” cai bem. Lembre-se: você está à frente de uma PESSOA. Feita de carne e osso. Com sonhos, visões de mundo, medos, expectativas, habilidades… Assim como você. Então, trate-a normalmente como você faz com todos. Fácil, não?!

3. Por que as pessoas têm deficiências?

Ao contrário do que muitas pessoas possam achar, no Brasil e no mundo, as grandes causas de deficiência não têm nada a ver com genética e nem são hereditárias. Em outras palavras, poucas deficiências são congênitas. Na maior parte dos casos elas são adquiridas em vida. Infecções causadas pela falta de saneamento básico, falta de assistência pré-natal, erro médico na hora do parto e, principalmente, acidentes de carro e com arma de fogo são algumas das causas de as pessoas terem deficiências. Ou seja, ninguém está protegido. Todos somos vulneráveis.

4. Todo mundo que tem a mesma deficiência se conhece?

Não, o universo composto por pessoas com deficiência não é tão pequeno se pensa. No mundo todo, 10% da população tem pelo menos uma deficiência, seja leve ou grave. No Brasil, este percentual é 25%!  Mesmo em se falando em mais de 45 milhões de brasileiros, é muito difícil que a maioria das pessoas com deficiência se conheçam e sejam amigas em redes sociais, embora haja um grande sentimento de “grupo”, de “comunidade” entre boa parte das pessoas. Então, não parta do pressuposto que a pessoa com deficiência que você acabou de conhecer seja amigo ou amiga de “fulano” ou “beltrana”.

5. Como as pessoas cegas usam a internet?

Pessoas cegas usam internet e muito! Quem não usa, nos dias de hoje né? Graças a softwares de voz que lêem tudo que está na tela, as pessoas com cegueira ou baixa visão podem surfar pelos sites que bem entenderem. Bom, desde que os sites estejam preparados para serem lidos por estes softwares, é claro! Quando isto ocorre, dizemos que o site está acessível. Estes leitores de telas podem ser instalados em qualquer dispositivo equipado com multimídia. No caso do uso em computadores, os softwares mais comuns são: JAWS, NVDA, Virtual Vision e DOSVOX. No caso de dispositivos móveis, os mais conhecidos são o Talkback (plataforma Android) e o VoiceOver (plataforma iOS), que por sinal já vêm instalados nos smartphones e tablets.

6. Todo surdo é mudo?

Não, nem sempre. A pessoa com surdez na maior parte dos casos apresenta os órgãos fonoarticulatórios íntegros e tem todo o potencial para desenvolvimento da fala. Não é porque é surdo que se torna automaticamente mudo. A mudez autêntica é extremamente rara e decorrente de lesões cerebrais. Fonte: Somos@Telecentros

7. Deficiência intelectual e doença mental: são a mesma coisa?

Nãão! São coisas totalmente diferentes. A deficiência intelectual (e não “mental”, como alguns dizem) pode ser conseqüência de uma doença, mas ela não é uma doença; é uma “condição”, uma determinada limitação. Além de doenças, pode ser causada por acidentes, condições socioeconômicas desfavoráveis que levam à privação de estímulos, desnutrição, por fatores orgânicos, hereditários e por fatores genéticos. Vale a pena frisar que, por não ser uma doença, não pode ser contraída por meio de contágio. Ou seja, ninguém vai “pegar” nada convivendo com pessoas com Deficiência Intelectual. Na verdade, pode pegar é um carinho e uma amizade muito grande! rs. Fonte: APAE Limeira

8. Toda pessoa com deficiência auditiva é surda?

Não, necessariamente. Todo surdo é alguém com deficiência na audição. No caso, não conseguem escutar nada. Mas nem toda pessoa com deficiência auditiva é surda. Entendeu? Há outros níveis de deficiência auditiva, que pode ser leve até moderada. Neste caso, inclusive, existem pessoas que se comunicam através da linguagem oral, sem muitos problemas, principalmente se a perda auditiva foi desenvolvida na vida adulta.

9. Pessoas com deficiência intelectual são mais carinhosas?

As pessoas com deficiência intelectual são, em geral, bem dispostas, carinhosas e gostam de se comunicar. Mas, não existe esse negócio de “MAIS” ou “MENOS”. Se a pessoa é gentil e amável é porque tem muito a ver com a sua personalidade, sua educação, seus valores. Ou seja, da mesma forma que funciona com qualquer pessoa. O fato de se ter ou não uma deficiência não é determinante. 

10. Pessoa em cadeira de rodas fazem sexo?

Muito, às vezes. Rs. Sexualidade é algo muito mais amplo que sexo e, consequentemente, sexo é muito mais que “encontro de genitálias”. No caso de pessoas com lesão medular, por exemplo, apesar de pouca ou nenhuma sensibilidade da cintura para baixo, estas pessoas sentem prazer através do tato em outras partes erógenas do corpo (lembram daquela cena da massagem na orelha no filme Intocáveis?) ou de estímulos do olfato e visão. Tudo isso vai ajudar a irrigação sanguínea, ao aumento do batimento cardíaco e o restante da história você já imagina, né?! Então, anota aí: a pessoa com deficiência motora, seja homem ou mulher, pode ter vida sexual ativa, pode namorar, casar e, na maior parte dos casos, ter filhos.

E aí, curtiu? Se tiver perguntas, mesmo as cabeludas, mande para a gente! Até a próxima.

Projeto praia acessível chega ao litoral baiano

Neste final de semana, a Associação Baiana de Equoterapia (ABAE) lançou o projeto ‘Cavalo Marinho’, que oferece banho de mar assistido e várias outras atividades lúdicas para as famílias com pessoas com alguma deficiência. O projeto está localizado na praia de Itapuã, em Salvador, na Rua K, a partir das 8:30h. As pessoas interessadas podem telefonar no número (71) 3249-0599 e realizar a inscrição. Além do banho de mar, o projeto oferece a prática de stand up, passeio de bote, banho com cadeira anfíbio, futebol de areia, entre outras atividades lúdicas. O projeto já nasce com uma grande número de adesões: já conta com mais de 250 crianças e jovens cadastrados.
Há 26 anos, a ABAE, em parceria com a Polícia Militar da Bahia (Esquadrão da Polícia Montada), promove a utilização do cavalo como tratamento equoterápico para crianças e adolescentes com deficiência. Agora, com o apoio adicional do FMDCA (Fundo Municipal da Criança e Adolescente), do CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente) e da SEMPS (Secretaria Municipal de Promoção Social),  a ABAE expande as atividades para as praias da capital baiana através da talassoterapia, que é o tratamento terapêutico baseado nos recursos do ambiente marinho para promoção da saúde, do bem estar físico e mental, assim como do fortalecimento de vínculos familiares.
Para maiores informações sobre o projeto e demais atividades, acessar o blog da Associação em http://equoterapiabahia.blogspot.com.br/
Vida longa ao Cavalo Marinho!

Aprenda a fazer sites e conteúdo web com acessibilidade WCAG 2.0

globo terrestre estilizado em cinza com vários ícones brancos alusivos à tecnologia girando em torno dele. Ao lado direito, escrito em branco sobre fundo azul: Cursos Abridef 2016. Na parte debaixo, em maiúsculas brancas e fundo azul, está escrito acessibilidade digital

ACESSIBILIDADE DIGITAL agora é lei!
Você está preparado?

A Good Bros, em parceria com a ABRIDEF – Associação Brasileira das Indústrias e Revendedores de Produtos e Serviços para Pessoas com Deficiência – apresenta uma seleção de treinamentos sobre inclusão e acessibilidade para que você possa estar por dentro de toda essa transformação com a nova Lei Brasileira de Inclusão – LBI.

No dia 11 de Agosto, das 9h às 17h, o primeiro curso abordará o tema da “Acessibilidade Digital” e é dirigido àqueles profissionais e empresas que desejam se capacitar quanto às diretrizes internacionais e melhores práticas do W3C sobre acessibilidade em sites e peças web.

Conteúdo Programático:

  • Introdução a Acessibilidade Digital: O que é, para quem e porquê?;
  • Benefícios para agência, cliente e público-alvo;
  • Acessibilidade e suas facetas em relação ao Designer, Usabilidade, Arquitetura da Informação, dentre outros;
  • Técnicas para criação de sites acessíveis;
  • Validando a acessibilidade do seu site antes de publicá-la.

O curso será ministrado por Rodrigo Credidio, empreendedor social e sócio-fundador da Good Bros, e por Luiz Henrique Volso, Front End Developer e especialista em desenvolvimento web acessível.

Credidio é formado em Marketing pela ESPM e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV, acumula 20 anos de experiência em branding, comunicação e estratégia off e on, com passagens em empresas multinacionais e agências de publicidade. Formado pelo Empretec, treinamento da ONU focado em comportamento empreendedor. Um dos criadores do aplicativo Biomob, guia de locais acessíveis.

Volso é web development specialist em websites acessíveis. Formado em Engenharia, pela Universidade Estadual de Londrina, e também em Desenvolvimento de Sites com Padrões Web, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Volso é dedicado ao estudo e desenvolvimento de ferramentas informacionais acessíveis, com base em Dados Abertos Governamentais. É ainda especialista em Web Standards, Usabilidade e Acessibilidade. Ganhador de vários prêmios do Todos@Web, maior Prêmio Nacional de Acessibilidade Digital.

 

Close de duas mãos sobre um teclado de computador portátil na cor preta

Curso ‘Acessibilidade Digital’

QUANDO: 11/08/16
HORÁRIO: das 9h às 17h
ONDE: Sede da ABRIDEF – Office Park – Centro de Convenções, situado na Av. Queiroz Filho, 1700 – Vila Lobos, São Paulo

Informações e inscrições pelos telefones abaixo ou pelo email contato@abridef.org.br.

Fone: (11) 3445-2373
Fone: (11) 9 8692-2463

Agora é lei: todo website precisa ter acessibilidade

Ao contrário do que muitos pensam, a quantidade de brasileiros com alguma deficiência não é pequena. Não é um ‘nicho’ de mercado. Segundo o IBGE, os números são surpreendentes:

6,5 milhões de pessoas cegas ou com baixa visão;
13 milhões com alguma deficiência motora, incluindo baixa mobilidade de membros superiores;
9,7 milhões com deficiência auditiva e que muitas vezes só conhece a Língua Brasileira de Sinais (Libras);
2,5 milhões de crianças, jovens e adultos com deficiência intelectual.

O problema é que as cidades brasileiras ainda não estão prontas para incluir as pessoas com deficiência e oferecer a elas as condições necessárias para o exercício dos seus direitos, seja perante à Declaração Universal dos Direitos Humanos, seja perante à Constituição Federal de 1988, seja à qualquer coisa. Calçadas mal conservadas e executadas, rampas inexistentes ou mal projetadas, assentos escassos para pessoas obesas e assim por diante. Se a discussão fosse apenas sobre as barreiras físicas, seria uma coisa. O problema é que vivemos todos os dias sob a égide do ‘jeitinho brasileiro’ que em muitas vezes carrega de forma velada uma visão preconceituosa a cerca da pessoa com deficiência. O melhor exemplo disso é o famoso “vou estacionar apenas um minutinho nessa vaga exclusiva para pessoas com deficiência”. Em apenas ‘um minutinho”, ferimos sem pestanejar um dos direitos assegurados por lei à pessoa com deficiência.

Foto preta e branca de uma placa de rua, com Símbolo Internacional de Acessibilidade (pessoa em cadeira de rodas)

Em relação aos meios de comunicação, os desafios de se eliminar barreiras não é diferente. Canais de TV, revistas, jornais, websites.. Quantos websites, sejam eles institucionais ou de comércio eletrônico, de marcas ou empresas, são acessíveis por todos? Uma pesquisa do W3C (World Wide Web Consortium) mostrou que apenas 2% das páginas da web são acessíveis pelo universo de pessoas com deficiência.

De acordo com a Lei Brasileira de Inclusão (13.146/15), que começou a vigorar em Janeiro de 2016, “é obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente”.

IDOSOS
Não podemos deixar de fora o contingente de pessoas que já passaram dos 60 anos de idade. Em 2010, existiam 20,5 milhões de idosos no Brasil. E juntamente com a idade, chegam às vezes algumas doenças que podem acomete total ou parte dos nossos sentidos. É o caso de uma diabetes não controlada, de uma catarata, de uma sarcopenia (perda de massa e força da musculatura).
Segundo projeções, até 2020, seremos mais de 30 milhões de pessoas com 60 ou mais anos de idade. Um crescimento vertiginoso de 50% em apenas 10 anos! É fato que, graças aos avanços da medicina e à melhora na qualidade de vida, estamos vivendo mais e melhor! Em suma, dentro de alguns anos, teremos muitos idosos vivendo ativamente e totalmente conectados às tecnologias móveis e internet. De acordo com uma pesquisa realizada pela Telehelp, 66% dos idosos brasileiros usam regularmente a internet e 45% afirmaram fazer compras online regularmente.

Close nas mãos de um homem idoso, que está de pé, de frente para a câmera, apoiado em uma bengala. Vemos aliança de casado e que o homem veste calça social bege e camisa xadrez marrom e branca
Close nas mãos de um homem idoso, que está de pé, de frente para a câmera, apoiado em uma bengala. Vemos aliança de casado e que o homem veste calça social bege e camisa xadrez marrom e branca

Os fabricantes de produtos, prestadores de serviços, órgãos governamentais, agências digitais e de publicidade, veículos de comunicação… todos precisam despertar de uma vez por todos que existe um mar de gente crescendo todo ano e que anseia por seu direito de irem e virem quando bem entenderem, de acessarem conteúdo web quando e como desejarem e assim por diante. Além do aspecto de direitos humanos, não esqueçamos do aspecto capitalista e financeiro. Afinal de contas, estamos falando de pessoas que viajam, estudam, saem para jantar, compram pela internet, pagam contas pelo celular… Quando as empresas começarem a enxergar nas pessoas com deficiência e mobilidade reduzida potenciais clientes e consumidores de suas marcas, produtos e serviços, talvez assim acelere o processo de acessibilização como um todo e as barreiras, físicas e virtuais, caiam por terra.

Quais as Melhores Empresas para Pessoas com Deficiência Trabalharem?

Mãos de mulher sobre o teclado de um notebook prata. Aparenta ser uma situação de trabalho.
Mãos de mulher sobre o teclado de um notebook prata. Aparenta ser uma situação de trabalho.

Imagine o seguinte: você quer trabalhar em uma empresa que valoriza a diversidade, a pessoa com deficiência. Ou então gostaria de fazer negócios com uma empresa que não apenas respeita os direitos de todos mas que possui iniciativas reais que valorizam e estimulam as pessoas com alguma deficiência a crescerem pessoal e profissionalmente. A pergunta para ambas as situações seria: “essas empresa existem? quem são elas?”.

As empresas multinacionais, principalmente as de origem norte-americana, estão cada vez mais enxergando valor em contratar e manter pessoas com deficiência em seus quadros de funcionários. É sabido que, quanto mais diverso e heterogêneo for a organização, mais rica e humana será a sua cultura. Sabendo disso, o maior provedor de conteúdo web e impresso dedicado à diversidade, chamado DiversityInc, realiza há alguns anos uma avaliação bastante criteriosa e baseada em indicadores para montar um ranking das empresas ‘amigas da pessoa com deficiência’.

Para se tornar candidata potencial a uma vaga dentre as TOP 50, a empresa deve antes de mais nada passar pelo crivo de um extenso questionário que aborda determinadas áreas de avaliação. Vários fatores determinarão se a empresa é adepta ou não das melhores práticas de gestão relacionadas ao assunto. Saibam, por exemplo, 6 boas práticas de uma empresa que respeita e valoriza pessoas com deficiência, de acordo com a DiversityInc:

  1. O website da empresa tem acessibilidade e comunica vagas e oportunidade de trabalho sem segregar, discriminar e/ou restringir quaisquer candidatos que apresentem alguma deficiência, seja ela de qual natureza for;
  2. O processo de recrutamento, que envolve o preenchimento de formulários e envios de informações, é totalmente acessível e inclusivo, permitindo que qualquer pessoa consiga realizar as solicitações com autonomia;
  3. A empresa possui infra-estrutura acessível ou com adaptações razoáveis;
  4. A empresa tem o hábito de detectar oportunidades em outras áreas, além das operacionais, como contratação de pessoas com deficiência. Como por exemplo, vagas na força de vendas, posições para nível gerencial, para trabalhos voluntários ou como ‘jovem aprendiz’;
  5. A presença de ao menos uma pessoa com deficiência em departamentos ou células de trabalho está auxiliando na construção de um clima organizacional inclusivo;
  6. Percentual de gastos e despesas com fornecedores cujos proprietários são pessoas com deficiência ou veteranos de guerra.

Para a edição 2016, a DiversityInc analisou informações de mais de 1.800 empresas. Confira a seguir as 9 melhores empresas para pessoas com deficiência trabalharem.

1  Northrop Grumman
2  Lockheed Martin Corporation
3  EY
4  Comcast NBCUniversal
5  Accenture
6  Sodexo
7  Prudential Financial
8  Monsanto
9  The Hartford Financial Services Group

Empregabilidade ainda deficiente

A Pesquisa ‘Expectativas e percepções sobre a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho’ já está na sua segunda edição. Realizado pela consultoria i.Social juntamente com a ABRH e a Catho, o estudo ouviu 1.519 profissionais de RH. Os resultados melhoraram em relação a 2014 mas ainda sim são alarmantes. Uma das constatações é que apenas 4% dos entrevistados disseram não conhecer a Lei de Cotas. O desconhecimento caiu pela metade, já que em 2014, na primeira edição da pesquisa, o índice foi de 8%. Mas apenas 48% dos entrevistados afirmaram ter bom conhecimento sobre a Lei de Cotas, mesmo passados 25 anos de existência desta lei que obriga que toda empresa com 100 funcionários ou mais tenha um percentual de pessoas com deficiências no seu quadro de funcionários.

Homem de meia idade em uma cadeira de rodas olha para o horizonte, através de uma vidraça. Ele está com roupas formais e parce estar em uma empresa.

A pesquisa ainda um indica a falta de informação e de preparo por parte de alguns gestores de RH. Em torno de 65% dos RHs ouvidos já entrevistaram PcDs e, destes, 54% não se sentem bem preparados para tal função. Ainda, quando foram perguntados sobre sua capacidade de oferecer suporte aos gestores de PcDs, 59% afirmaram que não estão bem preparados.

Outro resultado que chama a atenção diz respeito à receptividade dos gestores para com os candidatos com deficiência: 67% dos RHs afirmaram que os gestores possuem resistência em entrevistar ou contratar PcDs. E 93% dos pesquisados consideram que os gestores necessitam de mais informações sobre contratação e gerenciamento de PcDs, revelando que ainda existem muita falta de informação, muito preconceito e barreiras comportamentais quando o assunto é empregabilidade de PcDs.

Tenha acesso à pesquisa completa no link a seguir. Expectativas e Percepções do Mercado de Trabalho para PcD 2015

‘Pessoas com Eficiências’

No dia 01 de Maio, Dia Internacional do Trabalho, inauguramos uma nova campanha entitulada ‘Pessoas com Eficiências’. E ao longo de todo o mês, traremos mais informações sobre empregabilidade de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Foto do acupinturista e atleta Diego Coelho, que usa cadeira de rodas. Diego tem barba e cabelos castanhos, tem cerca de 30 anos de idade e veste camiseta vermelha e jeans. Ao lado da foto dele, a frase Pessoas com Eficiências.
Diego Coelho, Acupunturista e Atleta
Foto da fisioterapeuta Paula Ferrari, que usa cadeira de rodas. Paula tem cerca de 30 anos de idade, é loira e veste um vestido todo colorido com um colar grande e bonito. Ao lado da foto dela, a frase Pessoas com Eficiências.
Paula Ferrari, Fisioterapeuta

Atualmente no Brasil existem mais de 45 milhões de pessoas com alguma deficiência, segundo último censo realizado pelo IBGE, em 2010. Deste total, um pouco mais de 30 milhões de brasileiros estão em idade ativa, podendo ser contratados por empresas. Em contrapartida, apenas 381 mil pessoas com alguma deficiência estão empregadas formalmente, com carteira assinada. Ou seja, estamos falando que apenas 1% das pessoas com deficiência têm trabalho formal! Mesmo passados 25 anos da Lei de Cotas, que exige que empresas com 100 ou mais funcionários tenham um percentual do seu quadro de funcionários formado por pessoas com alguma deficiência.

Que venham as mudanças, pois é assim que viveremos dias melhores!‪#‎pessoascomeficiencias‬

VÍDEO ‘Pessoas com Eficiências’

Aprender brincando é sempre melhor

Quem não concorda com a frase acima? Quando se está realmente imerso em uma atividade lúdica, temos a capacidade de absorver mais conteúdo e aprender mais rápido. Por isso que a famosa ‘gamificação’ virou palavra de ordem de 8 em cada 10 estratégias de marketing de empresas.

Mas desta vez o caráter é ainda mais nobre. Os famosos brinquedos de montar, até então utilizados com a simples função de entreter crianças e adultos, agora ganha uma nova funcionalidade: a de ensinar crianças cegas ou com baixa visão a ler e escrever. Estamos falando do projeto ‘Braille Bricks’ (tijolinhos Braille). Os relevos característicos de cada peça foram recombinados para dar vida ao alfabeto Braille. Assim, cada tijolinho passa a ser uma letra que, ao ser colocada ao lado de outras, formam palavras e dão vida e significado para milhares de pessoas que estão aprendendo o sistema de leitura através do tato.

Ponto a favor da educação inclusiva. Que mais ideias e projetos como este apareçam mais e mais por aí afora. O mundo está precisando.

Quer ajudar o projeto? Compartilhe este post com a hashtag #BrailleBricksForAll para convencer os fabricantes de brinquedos a produzir esse lindo projeto para crianças do mundo inteiro.

Para saber mais, acesse www.braillebricks.com.br.

 

Bumbo, caixa, prato e chimbau para todos

Se você é músico deve saber o que os nomes do título deste post significam. Para que não entendeu nada, são itens que compõe uma bateria. O projeto “Alma de Batera”, que começou agora no dia 02 de Junho, oferece gratuitamente aulas de bateria para pessoas com deficiência. Quem tiver interesse, basta apenas ir às terças-feiras até o Centro Cultural São Paulo, entre 13h e 16h. O “Alma de Batera” vai até 28 de julho. São 20 vagas disponíveis, que são preenchidas por ordem de chegada. Não é preciso retirar ingresso ou senha. A oficina acontece na Sala Adoniran Barbosa e tem duração de uma hora e meia.

Baterista da banda NXZero, Daniel Weksler, parece ensinar a como tocar a bateria para 3 alunos com deficiência, que estão sentados na sua frente com cara de animados.
Baterista da banda NXZero, Daniel Weksler, parece ensinar a como tocar a bateria para 3 alunos com deficiência, que estão sentados na sua frente com cara de animados.

 

Além de estimular o desenvolvimento musical e a expressão corporal, a oficina se propõe a ser mais uma forma de integrar pessoas com deficiência à vida da cidade. Com frequência são realizadas apresentações públicas, às vezes com presença de músicos convidados, tais como Daniel Weksler (NXZero), Cuca Teixeira (tocou com Maria Rita e Paula Lima), Maguinho (tocou com Chitãozinho e Xororó), Nô Leandro (Dead Fish) e Duda Machado (Pitty).

Pedagogo Paul Lafontaine, criador do projeto Alma de Batera, posa ao lado de seis crianças com deficiência visual. Atrás deles, uma bateria.
Pedagogo Paul Lafontaine, criador do projeto Alma de Batera, posa ao lado de seis crianças com deficiência visual. Atrás deles, uma bateria.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O projeto nasceu em 2008 pelas mãos do pedagogo Paul Lafontaine, que procura aproximar as pessoas com deficiência da experiência musical através de um instrumento, a bateria.

 

CCSP – Centro Cultural São Paulo
http://www.centrocultural.sp.gov.br/
Rua Vergueiro, 1000 – Liberdade, São Paulo
(11) 3397-4002
Ao lado da Estação Vergueiro (Metrô – Linha 1 Azul)

TERÇAS-FEIRAS, das 13h às 16h (até 28 de Julho)

 

Fontes: Catraca Livre e ‘Alma de Batera’

Heróis Existem

Ao ser convidado para viver novamente a personagem de Tony Stark, o ator Robert Downey Jr não pensou duas vezes. Não, não! Não se trata de uma nova sequência do bem-sucedido longa metragem ‘Homem de Ferro’, mas de uma ação realizada pela Limbitless Solutions, fabricante de braços biônicos de baixo custo – em parceria com a Microsoft OneNote Collective Project. Veja como foi o encontro do herói de metal com o jovem Alex, que possui uma deficiência no seu braço direito.

Quem quiser conhecer o projeto #CollectiveProject, pode acessar o site oficial da Limbitless Solutions. A empresa tem capacitado várias famílias a comprar um braço biônico de baixo custo, feito por impressoras 3D.