Atendimento Ambulatorial em Microcefalia

A Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação abriu inscrições às famílias que têm bebês com suspeita ou diagnóstico confirmado de microcefalia. Os pedidos para a primeira consulta é válido para as nove unidades da rede e pode ser feita pela internet, através do seguinte endereço: http://www.sarah.br/consultas/microcefalia

As unidades da Rede SARAH estão localizadas nas seguintes cidades:

  • Belém (PA)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Brasília (DF)
  • Fortaleza (CE)
  • Macapá (AP)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • Salvador (BA)
  • São Luiz (MA)

Para quem não conhece, os hospitais da Rede SARAH são dedicados à reabilitação e os atendimentos têm início com uma consulta médica previamente agendada. Por isso, a importância de se solicitar um atendimento ambulatorial para bebês com hipótese ou diagnóstico de microcefalia.

Sobre a Rede SARAH

A Rede é mantida pela Associação das Pioneiras Sociais (APS). Atualmente é composta por nove unidades, que realizam mais de 19 milhões de procedimentos por ano. Tem como propósito oferecer atendimento público de alta qualidade, com tecnologia de ponta e humanismo, alcançando todos os níveis da população.

Na Rede SARAH, a terapia de reabilitação não está restrita apenas ao ambiente hospitalar. Para uma abordagem eficaz, é necessário ter como objetivo que cada momento do paciente, ao longo do dia, possa ser organizado para estimular seu desenvolvimento. Por isso, além de focar na avaliação das perdas funcionais decorrentes de acidente ou doença, os profissionais da Rede avaliam as potencialidades das funções preservadas. Em outras palavras, a atuação da equipe de reabilitação concentra-se predominantemente no que é possível conseguir e não naquilo que se deixou de fazer.

Fonte: site Rede SARAH

O que a China tem feito para acelerar o processo de inclusão

O governo chinês acaba de assinar uma nova regulamentação cujos objetivos são o de reduzir os casos de deficiência e o de aprimorar os serviços de reabilitação. Isto é pensar preventiva e pró-ativamente na saúde de seus cidadãos. 

Mas você talvez pense: “Mas é claro, com tanta gente vivendo no país, e com muitas pessoas de idade, tinha que se ter uma legislação dessas mesmo!”. Não é bem assim. É fato que a China congrega sozinha mais de 1,3 bilhões dos 7,2 bilhões de pessoas que vivem no globo terrestre. Sim, é muita gente. Mas o percentual de idosos e pessoas com deficiência são pequenos!

Para começar, o percentual de pessoas acima dos 65 anos de idade é de apenas 9%. No Brasil, este percentual gira na casa de 10%. E você achando que a China é um país velho! rs

Agora pasme. A quantidade de pessoas com deficiência que vivem na China é de apenas 85 milhões! Oi?! Sério? Sério. Também assustei quando vi os números. Em outras palavras, apenas 6,5% dos chineses têm alguma deficiência. Isto não é nada perto dos quase 14% de média Global e de 25% no Brasil! Atualmente, já temos mais de 45 milhões de pessoas vivendo em solo brasileiro com pelo menos uma das deficiências.

Chinês com cerca de 45 anos de idade, acelerando sua cadeira de rodas motorizada, que carrega uma bandeirinha da China
Chinês em Cadeira de Rodas (Foto: Douglas M Paine via VisualHunt)

Agora chegamos no ponto que queria destacar: a atenção de todo uma nação para menos de 10% de sua população! Sempre vi países governando para a maioria, para a massa. Afinal de contas, o que vale é ter uma boa de uma massa crítica a seu favor, falando bem de você não é mesmo? Pois é, a China tem mostrado que não é “só” para a maioria. Mas “também” para ela.

Sinceramente desconheço detalhes da gestão pública chinesa ou de qualquer outro aspecto desta cultura milenar a ponto de encontrar justificativas para um baixo contingente de pessoas com deficiências no país. Mas o fato é que, com essa atitude, o premiê chinês mostrou que, apesar de percentualmente inexpressivo, esta parcela de cidadãos merece ser amparada e assistida como qualquer outro segmento da população, sejam idosos, crianças etc. Foi exatamente isso que me chamou a atenção para esta notícia. Bom, não é à toa que a China é o berço de tanta sabedoria desde os tempos mais remotos né?

O referido decreto, assinado agora em Fevereiro, foi batizado de “Estatuto de Prevenção da Deficiência e Reabilitação da Pessoa com Deficiência”. O documento, composto de seis capítulos, entrará em vigor a partir do primeiro dia de Julho de 2017 e terá importante papel na resolução das questões sobre a deficiência, bem como no desenvolvimento contínuo de programas de prevenção da deficiência e da reabilitação das pessoas com alguma deficiência. O estatuto, por exemplo, exigirá que os responsáveis façam o monitoramento constante dos fatores que provocam a deficiência, bem como priorizem seus trabalhos nas regiões, indústrias, órgãos e populações com alto risco de terem alguma deficiência. Muito bacana.

Faço votos que este novo decreto surta os efeitos esperados e que beneficie cada um dos 6,5% de chineses. Cuidar de pessoas independe do gênero, etnia, idade, condições físicas e também se é “maioria”. Para cuidar de gente basta ter uma precisando de ajuda. E vontade no coração para fazer o bem. Como diz um velho provérbio chinês:

“Se você quer um ano de prosperidade, cultive trigo.
Se você quer dez anos de prosperidade, cultive árvores.
Se você quer cem anos de prosperidade, cultive pessoas.”

Fonte: China Disabled Persons’ Federation

Confira o ranking completo de praias acessíveis do litoral paulista

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo coordenou um levantamento extenso para avaliar as condições de acesso às praias no litoral paulista. Foram avaliados também a presença de mobiliários adaptados e de hotéis preparados para receber com segurança e conforto os frequentadores. Ao todo, foram avaliadas 223 praias.

A equipe da OAB que visitou as praias foi formada por profissionais das 12 subseções presentes no Estado. Durante as visitas, a equipe procurou avaliar:

  1. presença de informações acessíveis nas praias para todos os tipos de deficiência;
  2. existência de serviços de apoio às pessoas com mobilidade reduzida;
  3. serviço de salva-vidas no local;
  4. informações sobre acessibilidade nas praias nos websites das respectivas prefeituras
  5. existência de estacionamento com vagas exclusivas para pessoas com deficiência;
  6. presença de percursos acessíveis e livres de obstáculos para pedestres até a areia da praia;
  7. acessibilidade nas edificações (instalações) e nos mobiliários (exs: cadeiras de rodas anfíbias para o banho e passeio na praia para as pessoas com mobilidade reduzida, duchas com barras de apoio).
  8. presença de hotéis próximos com acessibilidade.

Após quase três meses de análise e consolidação dos dados, montou-se um ranking das praias mais preparadas para receber banhistas idosos e/ou com alguma deficiência. O primeiro lugar ficou para a praia da Enseada, em Bertioga. Pelo levantamento realizado, a praia conta com informações acessíveis para todos os tipos de deficiência, apoiadores, salva-vidas, vagas exclusivas, percursos para pedestres, sanitários adaptados, postos de primeiros socorros, cadeira de rodas anfíbia, vestiários, duchas e lava-pés. Há também hotéis com acomodações adaptadas e a o site da prefeitura divulga informações ao público sobre acessibilidade.

Trecho da orla da Praia da Enseada, mostrando a areia, calçadões e infra-estrutura de apoio ao banhista.
Orla da Praia da Enseada, Bertioga (São Paulo)

Confira a lista completa das praias que estão melhor preparadas para receber pessoas com deficiência e idosos, no litoral paulista:

1º LUGAR:

Enseada, Bertioga

2º LUGAR:

Guilhermina, Praia Grande

Tupi, Praia Grande

3º LUGAR:

Indaiá, Bertioga

Aviação, Praia Grande

Boqueirão, Praia Grande

Caiçara, Praia Grande

Mirim, Praia Grande

Ocian, Praia Grande

Solemar, Praia Grande

4º LUGAR:

Balneário da Adriana, Ilha Comprida

Boqueirão Norte, Ilha Comprida

Monte Carlo, Ilha Comprida

Ilha Comprida, Ilha Comprida

Guaraú, Peruíbe

Centro, Peruíbe

Canto do Forte, Praia Grande

Balneário Flórida, Praia Grande

Fonte: G1 / Foto: Jornal da Baixada

Projeto praia acessível chega ao litoral baiano

Neste final de semana, a Associação Baiana de Equoterapia (ABAE) lançou o projeto ‘Cavalo Marinho’, que oferece banho de mar assistido e várias outras atividades lúdicas para as famílias com pessoas com alguma deficiência. O projeto está localizado na praia de Itapuã, em Salvador, na Rua K, a partir das 8:30h. As pessoas interessadas podem telefonar no número (71) 3249-0599 e realizar a inscrição. Além do banho de mar, o projeto oferece a prática de stand up, passeio de bote, banho com cadeira anfíbio, futebol de areia, entre outras atividades lúdicas. O projeto já nasce com uma grande número de adesões: já conta com mais de 250 crianças e jovens cadastrados.
Há 26 anos, a ABAE, em parceria com a Polícia Militar da Bahia (Esquadrão da Polícia Montada), promove a utilização do cavalo como tratamento equoterápico para crianças e adolescentes com deficiência. Agora, com o apoio adicional do FMDCA (Fundo Municipal da Criança e Adolescente), do CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente) e da SEMPS (Secretaria Municipal de Promoção Social),  a ABAE expande as atividades para as praias da capital baiana através da talassoterapia, que é o tratamento terapêutico baseado nos recursos do ambiente marinho para promoção da saúde, do bem estar físico e mental, assim como do fortalecimento de vínculos familiares.
Para maiores informações sobre o projeto e demais atividades, acessar o blog da Associação em http://equoterapiabahia.blogspot.com.br/
Vida longa ao Cavalo Marinho!