10 coisas que você sempre quis saber sobre pessoas com deficiência mas tinha medo de perguntar

Confessa, vai. Você tem um monte de perguntas sobre o universo da pessoa com deficiência mas nunca achou respostas. Seja porque perguntou para quem também tinha vários pontos de interrogação na cabeça ou porque acabou esquecendo de pesquisar sobre o assunto mesmo. Bom, não importa o motivo. Neste post vamos responder a algumas das perguntas mais comuns de pessoas sem deficiência sobre o dia a dia da pessoa com deficiência. E se houver alguma dúvida não atendida, mande para sua perguntinha pra gente, ok?

Jovem tímida com leque verde

1. Qual o termo correto para se referir à alguém com deficiência?

Esta talvez seja a dúvida mais comum e que a grande maioria de leigos acaba cometendo equívocos. Em alguns casos, a gente tenta ser ‘politicamente correta’ e acaba usando de eufemismo, o que só piora a situação. O termo correto e aceito internacionalmente é “pessoa com deficiência”. Qualquer termo fora este, será impreciso ou poderá até mesmo gerar algum mal estar junto à pessoa. O termo “pessoa com deficiência” está em vigor desde 2006 quando houve a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU e que foi ratificado no Brasil com efeito de emenda constitucional, através do Decreto Legislativo 186 em 2008. Então, risque estes termos da sua caderneta: “portador de deficiência”, “deficiente” e “portador de necessidades especiais”.

2. O que devo falar ao me apresentarem a uma pessoa com deficiência?

Que tal começar com um “olá! tudo bem?” e dizer qual seu nome. Emendar algo tipo “prazer em conhecer” cai bem. Lembre-se: você está à frente de uma PESSOA. Feita de carne e osso. Com sonhos, visões de mundo, medos, expectativas, habilidades… Assim como você. Então, trate-a normalmente como você faz com todos. Fácil, não?!

3. Por que as pessoas têm deficiências?

Ao contrário do que muitas pessoas possam achar, no Brasil e no mundo, as grandes causas de deficiência não têm nada a ver com genética e nem são hereditárias. Em outras palavras, poucas deficiências são congênitas. Na maior parte dos casos elas são adquiridas em vida. Infecções causadas pela falta de saneamento básico, falta de assistência pré-natal, erro médico na hora do parto e, principalmente, acidentes de carro e com arma de fogo são algumas das causas de as pessoas terem deficiências. Ou seja, ninguém está protegido. Todos somos vulneráveis.

4. Todo mundo que tem a mesma deficiência se conhece?

Não, o universo composto por pessoas com deficiência não é tão pequeno se pensa. No mundo todo, 10% da população tem pelo menos uma deficiência, seja leve ou grave. No Brasil, este percentual é 25%!  Mesmo em se falando em mais de 45 milhões de brasileiros, é muito difícil que a maioria das pessoas com deficiência se conheçam e sejam amigas em redes sociais, embora haja um grande sentimento de “grupo”, de “comunidade” entre boa parte das pessoas. Então, não parta do pressuposto que a pessoa com deficiência que você acabou de conhecer seja amigo ou amiga de “fulano” ou “beltrana”.

5. Como as pessoas cegas usam a internet?

Pessoas cegas usam internet e muito! Quem não usa, nos dias de hoje né? Graças a softwares de voz que lêem tudo que está na tela, as pessoas com cegueira ou baixa visão podem surfar pelos sites que bem entenderem. Bom, desde que os sites estejam preparados para serem lidos por estes softwares, é claro! Quando isto ocorre, dizemos que o site está acessível. Estes leitores de telas podem ser instalados em qualquer dispositivo equipado com multimídia. No caso do uso em computadores, os softwares mais comuns são: JAWS, NVDA, Virtual Vision e DOSVOX. No caso de dispositivos móveis, os mais conhecidos são o Talkback (plataforma Android) e o VoiceOver (plataforma iOS), que por sinal já vêm instalados nos smartphones e tablets.

6. Todo surdo é mudo?

Não, nem sempre. A pessoa com surdez na maior parte dos casos apresenta os órgãos fonoarticulatórios íntegros e tem todo o potencial para desenvolvimento da fala. Não é porque é surdo que se torna automaticamente mudo. A mudez autêntica é extremamente rara e decorrente de lesões cerebrais. Fonte: Somos@Telecentros

7. Deficiência intelectual e doença mental: são a mesma coisa?

Nãão! São coisas totalmente diferentes. A deficiência intelectual (e não “mental”, como alguns dizem) pode ser conseqüência de uma doença, mas ela não é uma doença; é uma “condição”, uma determinada limitação. Além de doenças, pode ser causada por acidentes, condições socioeconômicas desfavoráveis que levam à privação de estímulos, desnutrição, por fatores orgânicos, hereditários e por fatores genéticos. Vale a pena frisar que, por não ser uma doença, não pode ser contraída por meio de contágio. Ou seja, ninguém vai “pegar” nada convivendo com pessoas com Deficiência Intelectual. Na verdade, pode pegar é um carinho e uma amizade muito grande! rs. Fonte: APAE Limeira

8. Toda pessoa com deficiência auditiva é surda?

Não, necessariamente. Todo surdo é alguém com deficiência na audição. No caso, não conseguem escutar nada. Mas nem toda pessoa com deficiência auditiva é surda. Entendeu? Há outros níveis de deficiência auditiva, que pode ser leve até moderada. Neste caso, inclusive, existem pessoas que se comunicam através da linguagem oral, sem muitos problemas, principalmente se a perda auditiva foi desenvolvida na vida adulta.

9. Pessoas com deficiência intelectual são mais carinhosas?

As pessoas com deficiência intelectual são, em geral, bem dispostas, carinhosas e gostam de se comunicar. Mas, não existe esse negócio de “MAIS” ou “MENOS”. Se a pessoa é gentil e amável é porque tem muito a ver com a sua personalidade, sua educação, seus valores. Ou seja, da mesma forma que funciona com qualquer pessoa. O fato de se ter ou não uma deficiência não é determinante. 

10. Pessoa em cadeira de rodas fazem sexo?

Muito, às vezes. Rs. Sexualidade é algo muito mais amplo que sexo e, consequentemente, sexo é muito mais que “encontro de genitálias”. No caso de pessoas com lesão medular, por exemplo, apesar de pouca ou nenhuma sensibilidade da cintura para baixo, estas pessoas sentem prazer através do tato em outras partes erógenas do corpo (lembram daquela cena da massagem na orelha no filme Intocáveis?) ou de estímulos do olfato e visão. Tudo isso vai ajudar a irrigação sanguínea, ao aumento do batimento cardíaco e o restante da história você já imagina, né?! Então, anota aí: a pessoa com deficiência motora, seja homem ou mulher, pode ter vida sexual ativa, pode namorar, casar e, na maior parte dos casos, ter filhos.

E aí, curtiu? Se tiver perguntas, mesmo as cabeludas, mande para a gente! Até a próxima.

Heróis Existem

Ao ser convidado para viver novamente a personagem de Tony Stark, o ator Robert Downey Jr não pensou duas vezes. Não, não! Não se trata de uma nova sequência do bem-sucedido longa metragem ‘Homem de Ferro’, mas de uma ação realizada pela Limbitless Solutions, fabricante de braços biônicos de baixo custo – em parceria com a Microsoft OneNote Collective Project. Veja como foi o encontro do herói de metal com o jovem Alex, que possui uma deficiência no seu braço direito.

Quem quiser conhecer o projeto #CollectiveProject, pode acessar o site oficial da Limbitless Solutions. A empresa tem capacitado várias famílias a comprar um braço biônico de baixo custo, feito por impressoras 3D.

 

Pontos turísticos londrinos em debate

Segundo o Ministro para as Pessoas com Deficiência do governo inglês, Mark Harper, boa parte dos pontos turísticos mais visitados na cidade ainda possuem grandes oportunidades de melhoria na área de acessibilidade. Ele é um dos grandes defensores dos cerca de 11 milhões de ingleses que possuem algum tipo de deficiência. Segundo Harper, as empresas e a própria coroa inglesa estão míopes ao não envergarem este grande contingente de cidadãos como consumidores e usuários dos bens públicos. “Ingleses com alguma deficiência e suas respectivas famílias representam um mercado de £200 bilhões – aproximadamente 818 bilhões de reais!! – em termos de potencial de consumo que as galerias de arte, teatros e parques de Londres deveriam estar se digladiando entre si”, declara Harper.

Segundo levantamento realizado, cerca de 60% das atrações turísticas não estão totalmente adaptadas para receber pessoas em cadeiras de rodas. Além disso, 25% do locais não possuem estacionamento preferencial e apenas 13% dos pontos turísticos mantêm equipe treinada para o atendimento de pessoas com necessidades especiais.

Confira os 5 lugares de Londres que estão muito bem adaptados e podem ser visitados sem dor de cabeça do ponto de vista de acessibilidade:

1) National Theatre (Teatro Nacional): oferece LIBRAS para pessoas com deficiência auditiva, apoio de áudio-descrição para pessoas com visão reduzida, tours guiados, brochuras em Braille e headsets.

2) Igreja St Martin-in-the-Fields: totalmente acessível para pessoas com mobilidade reduzida, com rampas e elevadores em todos os andares.

3) Science Museum (Museu de Ciências): materiais com textos grandes, Braille e recursos de linguagem para pessoas com deficiência de comunicação (Makaton).

4) British Museum (Museu Britânico): um dos lugares mais acessíveis da capital inglesa com algumas estátuas e esculturas feitas especialmente para o toque de pessoas com deficiência visual.

5) KEW Royal Botanic Gardens (Jardim Botânico): possui scooters, trilhas planas e/ou com rampas suaves, além de um tour de ônibus e banheiros acessíveis.

Fonte: London Evening Standard

Um Mundo Extraordinário

A nova série do canal Nat Geo entitulada “Histórias Extraordinárias Brasil” estreia amanhã, dia 16 de setembro, às 22h30, no seu canal por assinatura.

Serão ao todo 8 episódios, cada um com uma hora de duração. Será mostrada a trajetória de brasileiros com problemas físicos graves, raros e com o constante risco de morte. A cada novo episódio, “Histórias Extraordinárias Brasil” se aprofunda em um tema – sob o ponto de vista de três diferentes personagens da vida real – entre eles: ossos de vidro, filhos da lua, anomalia facial, malformação congênita, distrofia muscular, hemangiomas, nanismo e doença de Stargardt.

Paulo Franco, vice-presidente sênior de Programação e Conteúdo da FOX International Channels, conta que a finalidade do projeto é dar voz a essas pessoas. “Nossa intenção é mostrar histórias de superação e de como acontece a integração na sociedade”, diz. Além de contar sobre cada problema com a ajuda de especialistas e com o objetivo de trazer conhecimento aos telespectadores, a série busca sempre realizar um sonho de cada uma das pessoas portadoras de doenças raras que resolveram contar sua história e traz ainda relatos da experiência contínua de aprendizagem dos familiares.

Para concretizar este projeto, o Nat Geo conta com a parceria da Dogs Can Fly, responsável pela produção dos episódios. Para trabalhar com assuntos tão delicados e, ao mesmo tempo mostrar histórias de superação, a produtora convidou Luiz Ferraz para a direção da série. Ferraz é reconhecido no mercado por ser um cineasta com importantes projetos de documentários. Ele e a equipe de produção trouxeram para o time o diretor de fotografia de cinema, Carlos Firmino, que já realizou diversos projetos autorais.

Ao todo, cerca de 30 profissionais abraçaram a proposta. Todos interessados em entrar na vida desses personagens.  “O apoio de profissionais da área de saúde foi essencial para nos aprofundarmos nessas histórias. As equipes de direção e de produção mergulharam no trabalho com tanta intensidade que, o resultado final é uma série sensível e emotiva, mas que irá compartilhar com os telespectadores histórias de coragem e força”, afirma o diretor Luiz Ferraz.

Veja o vídeo que promove a série AQUI.

Google e Apple de olho no mercado de pessoas com deficiência

O gigante Google deu mais uma bola dentro: implementou melhorias de acessibilidade no seu serviço de edição de documentos online, o Google Drive. Detas forma, pessoas com deficiência visual ou visão reduzida poderão usar a ferramenta de forma mais ampla, com maior facilidade e comodidade. As novidades incluem melhor integração com sistemas de narração (recursos de voz) e telas em braille.

O recurso para leitores de tela permite agora maior integração com textos. Um exemplo da nova funcionalidade é que agora, ao posicionar o cursor em uma parte do texto, basta pressionar o comando ctrl+alt+a e em seguida a tecla F para ouvir a formatação usada no parágrafo. O recurso de voice-over também funciona com documentos compartilhados, informando, por exemplo, quando um usuário entra ou sai dele e quando e onde está fazendo alterações. Outro recurso adicionado é um menu de pesquisa rápida para comandos. Basta digitar o que se quer fazer para mostrar em tempo real as opções relacionadas disponíveis. Por exemplo, digitando “negrito”, o sistema vai mostrar automaticamente o comando.

O suporte a telas em braille também foi melhorado, permitindo a leitura e inserção de textos em documentos, slides e desenhos. O sistema pode ler as configurações para mostrar caracteres automaticamente e diminuir o tempo de espera entre pressionar uma tecla e ouvi-la no leitor de tela.

IoS 8 CHEGA COM NOVIDADES

A Apple não ficou pra trás, não ! No final de Agosto/14, em sua conferência anual voltada para programadores, a empresa anunciou o lançamento do seu novo sistema operativo móvel, o iOS 8, que contará com vários aprimoramentos de termos de acessibilidade.

Não é de hoje que a empresa de Steve Jobs se dedica à pesquisa e implantação de  recursos de acessibilidade de para pessoas com deficiência. Com esta missão em mente, foi apresentado um novo pacote de melhorias de usabilidade que irão beneficiar todos aqueles que se confrontam com limitações funcionais. Algumas dessas melhorias ou novas características disponibilizadas no iOS 8 incluem 12 novidades:

1. “Escala de cinzentos” ou interface a preto e branco

Uma vez ativado, o conteúdo do telefone pode ter cores personalizadas, cores contrastantes e uma interface a preto e branco, criando um elevado contraste para utilizadores com baixa visão ou outros problemas de visão.

2. Melhorias na função de zoom

 Melhor e mais inteligennte, pois dá a opção de ampliar tudo na tela com exceção do teclado.

3. Spotlight (Pesquisa no dispositivo)

A pesquisa produz respostas ao estilo Siri, já existente no iOS 7, mas com um diferencial agora: aceita perguntas inseridas na forma de texto, dando aos usuários a capacidade de escrever em vez de falar e obter os resultados em áudio.

4. Teclado Braille

Depois de anos à espera, os teclados e o Braille desenvolvidos por terceiros chegam para iOS, permitindo aos indivíduos usar Braille para escrever textos diretamente nos aplicativos de mensagens instantâneas ou escrever um email ou efetuar uma pesquisa no iTunes ou na App Store.

5. Escrita Rápida com QuickType

O iOS 8 oferece um segundo teclado chamado QuickType, o qual é um preditor sensível ao contexto. Ele permite responder de uma forma mais ergonômica e produtivam, sendo ideal para pessoas com deficiências motora ou que se cansam rapidamente ao escreverem nos smartphones e notebooks.

6. Suporte Multi-dispositivo

Maior ajuda à audição MFi (Made For iPhone)

7. Melhorias no Touch ID

No iOS 8, o Touch ID desbloqueia o dispositivo ou efetua compras no iTunes com umsimples toque de um dedo.

8. Sintetizador de fala Alex

O sintetizador que ficou conhecido dos utilizadores na plataforma OS X pela sua alta qualidade e verbalização natural – que até respira entre as frases -, chega agora com o iOS 8 aos dispositivos iOS.

9. Cartão em Caso de Emergência

Foi adicionada uma aplicação sobre Saúde, e dentro desta aplicação encontra-se o “Cartão em Caso de Emergência”. Isto pode parecer insignificante mas no caso de um evento de uma emergência – ou mesmo para aqueles com alterações de comunicação ou impedidos de se lembrar de detalhes médicos – este cartão vai ser útil. O cartão contém detalhes médicos pessoais importantes tais como: doenças, medicação atual, alergias e contatos em caso de emergência.

10. Chamadas via Wi-Fi

Os usuários irão agora ser capazes de efetuar chamadas e enviar mensagens curtas de texto através da internet usando Macs e iPads. Efetuar chamadas via Wi-Fi é ótimo para pessoas que possam ter deixado cair o telefone e que não o possam apanhar, e que precisem de assistência; pode igualmente ser conveniente para aqueles que preferem trabalhar em dispositivos de maiores dimensões.

11. Ler o ecrã (tela)

Em qualquer visor, basta passar com dedos para baixo e o dispositivo iOS lê o conteúdo exibido.

12. Salientar palavras ao ler

Esta é uma função importante para quem tem dislexia. Solicitar a leitura por sintetizador de fala e, à medida que as palavras vão sendo lidas, são destacadas com uma cor de fundo e de letra diferentes para ajudar o usuário a melhor perceber a sua grafia.

Praias ainda mais acessíveis

Alguns posts atrás escrevemos a respeito do Programa Turismo Acessível – Pernambuco Sem Barreiras e mencionamos rapidamente do projeto Praia Sem Barreiras que compõe parte importantíssima do programa. E por isso resolvemos dedicar um post exclusivo a este tema.

O projeto Praia Sem Barreiras tem como objetivo maior transformar algumas praias do litoral pernambucano em locais acessíveis e portanto destino cativo de pessoas com deficiência. Atualmente, já são 4 praias preparadas com infra-estrutura específica que envolve não apenas mobiliário, sinalização mas um competente treinamento dos funcionários e voluntários que fazem o dia a dia do projeto. Graças ao trabalho conjunto da Secretaria de Turismo de Pernambuco (Setur), da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur) e das prefeituras, o projeto oferece piso tátil, rampas, banheiro adaptado, esteiras exclusivas com acesso ao mar, tendas, piscinas plásticas para as crianças, cadeiras de rodas anfíbias e profissionais qualificados para o banho assistido voltado para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida.

Abaixo, algumas fotos que mostram toda a infra-estrutura dedicada:

PraiaSemBarreiras5
PraiaSemBarreiras3PraiaSemBarreiras2PraiaSemBarreiras4PraiaSemBarreiras1

Na praia de Boa Viagem, em Recife, segundo local a receber o projeto, a Arena de Acessibilidade fica localizada em frente ao Internacional Palace Hotel. Em uma área com cerca de 200 m², o espaço conta com uma esteira de acesso ao mar, com 50 metros de comprimento, seis cadeiras anfíbias, uma quadra para o vôlei sentado, tenda de fisioterapia e o banho assistido. A estrutura é montada e desmontada de quinta a domingo, no horário de 8h às 12h.

Além de Boa Viagem, confira as outras três praias que possuem o projeto Praia Sem Barreiras:

– Praia do Bairro Novo (em frente à Praça Duque de Caxias), em Olinda
– Praia do Sueste, em Fernando de Noronha
– Praia de Porto de Galinhas (em frente à Praça das Piscinas Naturais), em Ipojuca.

Seria ótimo se esta iniciativa pudesse sensibilizar outras secretarias estaduais de turismo e prefeituras.

Para conferir o post anterior sobre o programa Turismo Acessível – Pernambuco Sem Barreiras, clique aqui.

Fonte: site do Governo do Estado de Pernambuco

Lei transforma 100% dos assentos de ônibus em ‘prioritários’

Após ser aprovada pela Câmara Municipal de Fortaleza, nova lei está em sanção do prefeito Roberto Cláudio (PROS). Segundo a nova lei, todos os assentos de transportes coletivos da capital cearense passarão a ser destinados preferencialmente para mulheres, idosos, obesos e pessoas com deficiência. Em sendo aprovada pela prefeitura, todas as empresas de ônibus e vans terão um prazo de 30 dias para se adequarem à nova legislação. Uma das adequações previstas é a fixação de placas nas entradas dos transportes com os dizeres: “Todos os assentos deste veículo, por força de lei municipal, são de uso preferencial por mulheres, idosos, obesos, pessoas com deficiência ou com limitação temporária de locomoção”.

Atualmente, a lei vigente (10.048/2000) prevê em seu artigo terceiro que “as empresas públicas de transporte e as concessionárias de transporte coletivo reservarão assentos, devidamente identificados, aos idosos, gestantes, lactantes, pessoas portadoras de deficiência e pessoas acompanhadas por crianças de colo.” Ou seja, não se especifica quantidade de assentos prioritários e nem se inclui as mulheres no grupo preferencial.

O projeto aprovado, no entanto, não determina que tipo de sanção será aplicada no caso de desrespeito à norma. Também não é especificado a que órgão municipal caberá a fiscalização da aplicação da lei, bem como se punições serão aplicadas às empresas ou diretamente aos transgressores da lei. O idealizador da proposta é o vereador Carlos Dutra (PROS).

Estamos de olho.

Fonte: O POVO

O descaso da população e o papel das campanhas publicitárias de conscientização

O desrespeito às pessoas com deficiência é um fato mundial. Inerente ao ser humano, penso eu. Sim, em alguns países este desrespeito é menor que em outros, não dá para se generalizar. Sim, eu sei. Mas de qualquer forma, a questão é que existe o descaso e muitas vezes a ignorância da população em relação aos direitos das pessoas com algum tipo de deficiência. Em menor ou maior grau. Esse comportamento apático, e que é replicado todo os dias inconscientemente, acaba virando uma mania, um hábito. De tanto se ignorar o outro, eis que as pessoas com deficiência se tornam estranhas, diferentes e até invisíveis aos olhos das “pessoas normais”. Algo parecido acontece com os mendigos e moradores de rua, que parecem não existir em meio ao vai-e-vem apressado dos engravatados e da corredeira insana de veículos nas vias públicas.

Por isso da importância de se ter campanhas e programas de conscientização a toda hora e de toda forma. Bombardear com mensagens e imagens de forma frequente e massiva, sempre. Para se quebrar um hábito, para fazer com que pessoas que nunca pararam para pensar sobre um determinado assunto comecem a refletir, faz-se mandatória que as mensagens sejam repetidas várias e várias vezes. Não é assim com a publicidade!?! Por que seria diferente em campanhas sociais??!!

E não só isso, as campanhas em prol do bem social precisam ser impactantes, persuasivas. Precisam ser diretas e marcantes. Só assim para gerar barulho e se quebrar o marasmo que toma conta no inconsciente coletivo. Campanhas de conscientização que não tiverem uma veia pulsante e personalidade forte acabam passando desapercebidas nos breaks comerciais, nos semáforos, nos congressos, nos debates.

Neste sentido, gostei muito da campanha produzida para a comissão nacional que defende os direitos das pessoas com deficiência no Perú (Comisión Especial de Discapacidad). Com uma idéia simples mas direto ao ponto, o comercial de 60 segundos consegue passar o recado de forma efetiva. E quero crer que foi bem sucedido no sentido de ‘abalar a estrutura’ do comportamento da população peruana em relação às pessoas com deficiência.

Sinto falta de mais campanhas nesta linha aqui no Brasil. Já vimos campanhas belíssimas no repúdio ao mercado do sexo infantil, na luta contra o fumo, no combate do uso de álcool ao dirigir… mas muito pouco foi criado em pró das pessoas com deficiência. Precisamos de mais campanhas voltadas para um contingente de 45,6 milhões de brasileiros que vivem hoje com algum tipo de deficiência e que convivem com a ignorância e despreparo educacional sobre o tema dos outros 150 milhões!

Abaixo, a campanha que mencionei feita no Perú e mais algumas outras que gosto muito. Também incluo duas campanhas brasileiras maravilhosas: a campanha belíssima feita há alguns anos para a Caixa Federal e APAE e uma outra para a ADD (Associação Desportiva para Deficientes).

BRASIL

PERÚ

PORTUGAL

FRANÇA

Congresso de Acessibilidade: online e gratuito

O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento a acontecer no país com duas grandes vantagens: totalmente online e gratuito. O evento reunirá cerca de 30 especialistas que trarão temas que giram em torno da inclusão de pessoas com deficiência na sociedade, como tecnologia assistiva, superação de obstáculos, acesso à educação entre outros.

O Congresso conta com o apoio de várias empresas privadas e entidades de classe. Será realizado entre os dias 21 e 27 de setembro, através do site www.congressodeacessibilidade.com.

Tome nota na sua agenda e não se esqueça!

Saiba mais clicando aqui.

Mais de 500 oportunidades de emprego para pessoas com deficiência

Foram criadas 509  oportunidades de trabalho pelo Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PADEF) do Estado de São Paulo, gerido pela Secretaria de Estado do Emprego e Relações do Trabalho (SERT). Tem vaga de trabalho em São Paulo (411 vagas), na Região Metropolitana de São Paulo (83), em Campinas (05), Ribeirão Preto (02), São José do Rio Preto (02), no Vale do Paraíba (03) e no Estado do Rio de Janeiro (03).

Acesse agora e confira. Para participar, basta fazer cadastro no site do Emprega São Paulo. Também dá para fazer cadastro nos Postos de Atendimento ao Trabalhador (PATs), Poupa Tempo ou na sede do PADEF (Rua Boa Vista, 170 – 1º Andar – Bloco 4 – Centro – São Paulo).

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

É necessário apresentar RG, CPF, PSIS (se tiver), carteira de trabalho, laudo médico com o Código Internacional de Doenças (CID) e Audiometria (no caso de deficiência auditiva).

Fonte: Catraca Livre